Mesa redonda: Educação Bilíngue para surdos: multilinguismo, repertórios comunicativos e identidades surdas

Profa. Dra. Ivani Rodrigues da Silva (FCM - UNICAMP) - Profa. Dra. Regina Maria de Souza (FE-UNICAMP), Profa. Dra. Wilma Favorito (INES), Profa. Dra. Ana Flora Schlindwein (UFS)

 

Em tempo de discursos mais favoráveis à educação bilíngue para surdos e de maior visibilidade das línguas de sinais no mundo inteiro, há ainda muitos desafios a serem vencidos no que se refere à educação de surdos no Brasil. Com o intuito de refletir sobre alguns desses desafios, partimos do pressuposto de que contextos definidos como bilíngues são na verdade, sempre multilíngues, uma vez que “uma língua” traz, no seu interior, muitas outras (CÉSAR & CAVALCANTI, 2007). Observa-se, no entanto, uma tendência de simplificação no modo como os complexos repertórios comunicativos (RYMES, 2014) de alunos surdos são percebidos em muitos ambientes escolares brasileiros e mais especificamente nas práticas de ensino de português para surdos. Por essas razões, pretende-se nesta Mesa colocar em discussão: 1. a compreensão da comunidade surda brasileira e da Federação Mundial de Surdos em relação a como uma população de surdos se autodescreve   ( PADDY LADD, 2003); 2. como entendem o que seria, para eles “educação bilíngue”; 3. o retorno da imposição do método fônico para o processo de alfabetização e sua possível relação com a base epistemológica do que se denominou Comunicação Total nas décadas 1970-1990; 4. o que  se entende como  “educação linguística” e suas implicações para a formação docente;; 5. questões relativas ao português, isto é, se considerado como língua estrangeira ou como segunda língua, sob um enfoque crítico (ROCHA et al, 2017) e translíngue (CANAGARAJAH, 2013, 2017; GARCÍA; LI WEI, 2014; ROCHA; MACIEL, 2015). Nesse viés, pretende-se articular estudos no sentido de viabilizar debates e encaminhamentos potencialmente capazes de desestabilizar discursos hegemônicos em relação ao surdo e suas línguas e fomentar discussões em relação ao ensino de surdos, formação de professores e a língua de sinais. Com enfoques diversos, apresentaremos problematizações sobre essas áreas mostrando a realidade do ensino para surdos e suas consequências para sua formação.


Imprimir   Email